A Cooperação francesa em Angola

A cooperação francesa em Angola cujas linhas são definidas pelo Embaixador, é desenvolvida e acompanhada pelo Serviço de Cooperação e de Acção Cultural da Embaixada (SCAC).
As acções sustentadas pela Embaixada são orientadas em três eixos principais:

- Ensino superior, cooperação universitária e investigação,

- Promoção da língua francesa e cooperação linguística,

- Acção cultural.

Ensino superior, cooperação universitária e investigação
Desafio fundamental para o desenvolvimento de Angola, a formação é uma prioridade da cooperação francesa neste país e beneficia de uma grande parte dos seus meios de intervenção com a assistência técnica (um conselheiro junto da Secretaria do Estado para o Ensino Superior e um voluntário internacional), créditos de intervenção e um projecto do Fundo de Solidariedade Prioritária (projecto ANGOSUP). As intervenções articulam-se em torno dos seguintes temas:

O desenvolvimento do ensino superior técnico: o projecto de Escola superior de tecnologia alimentar de Malanje (ESTAM), cuja abertura é prevista para o inicio do ano 2012, constitui um piloto para a futura rede das escolas de ensino superior técnico e politécnico (EST / ESP) angolano (estudos e inquéritos de análises das necessidades, conceito dos cursos de formação, programa de formação e de especialização dos docentes, articulação com o sector privado). Neste âmbito, um apoio deverá intervir a curto termo para a reorganização dos cursos do EST na Lunda Sul assim como para a criação do EST em engenharia industrial no Soyo.

A optimização da qualidade do ensino superior: com 6 à 8 novas bolsas por ano, o programa implementado desde 2004 permitiu até o momento, formar e aperfeiçoar uma trintena de docentes universitários (licenciatura e doutoramento). Um acordo com o Instituto nacional de bolsas de estudos (INABE) deverá convergir num programa mais ambicioso que poderia abranger 20 novos docentes por ano.

- De maneira mais generalizada, acções de apoio para a implementação das “linhas mestres” para o desenvolvimento do sub-sistema do ensino superior angolano são efectuadas, através do intercâmbio de experiências, a peritagem, o conselho e a formação.
Promoção da língua francesa e cooperação linguística
O apoio ao ensino do francês, que sempre constituiu um eixo importante de intervenção da cooperação francesa em Angola, prossegue-se actualmente por intermédio de diversas acções:

O projecto FSP de apoio ao desenvolvimento do ensino da língua francesa em Angola (ADELFA).
Iniciado no outono 2008, este projecto alberga quatro componentes:
1. Apoio para a implementação de um Mestrado
2 “didáctica do Francês Língua Estrangeira na Universidade Agostinho Neto (UAN) em parceria com a Universidade de Franche-Comté. Apoio para a formação à distância dos docentes e a utilização das tecnologias da informação para o ensino do francês.
3. Apoio para a concepção do centro de línguas da Universidade Agostinho Neto;
4. Apoio institucional para o reforço das estruturas existentes: criação de um corpo de supervisores para o ensino do francês. O projecto desenvolvido pela parte angolana pelo Ministério da Educação e o Secretariado do Estado para o Ensino Superior e pela parte francesa pela Universidade de Franche Comté.

- O apoio ao Bureau para o ensino da língua francesa em Angola (BELFA). Situado no seio do Instituto Nacional de Formação de Quadros (INFQ) do Ministério angolano da Educação, este bureau tem constituindo há vários anos, uma experiência piloto tanto para o desenvolvimento das políticas e métodos educativos como para a formação e o aperfeiçoamento do corpo docente.

- Apoio à associação dos docentes de francês.

A atribuição de bolsas de estudos (à nível do doutoramento) e de bolsas de estágios destinadas aos docentes em actividade.
Ademais, a Embaixada apoia a acção pedagógica de três Alianças francesas, com missões de ensino, a modernização dos equipamentos (nomeadamente, instalação de quadros interactivos) e com bolsas de aperfeiçoamento para os seus formadores. Enfim, bolsas para formações linguísticas são dispensadas pelas Alianças francesas a favor de agentes pertencentes à administração angolana.
Acção cultural
Esta última é principalmente desenvolvida através do operador cultural do SCAC, formado pela rede das Alianças francesas de Angola e designadamente a Aliança francesa de Luanda. Visa igualmente envolver o maior número possível de parceiros locais privados e institucionais. O SCAC apoia a difusão e a criação artísticas, as artes visuais e as artes da cena participando em exposições, concertos e espectáculos de dança. A acção cultural é igualmente importante no sector da difusão cinematográfica em cooperação com parceiros angolanos (centro de formação de jornalistas, universidades). O SCAC pretende desenvolver, com o apoio da Aliança, uma cooperação nos domínios da tradução, da fotografia e do debate de ideias, propondo entre outros, encontros e seminários com peritos e personalidades (ciências sociais, comunicação, urbanismo...). Enfim, uma cooperação mais avançada com os outros centros culturais europeus ou com os países representados em Luanda, deveria ver o dia, nomeadamente com a criação de um cluster Eunic (Institutos culturais europeus).

Atualização : 21/10/2011

Princípio da página